terça-feira, 5 de julho de 2016

FOCO AGRICULTURA Seminário avaliou projeto de desenvolvimento na Ilha das Cinzas

Embrapa AmapáFoto: NCO / Embrapa Amapá
NCO / Embrapa Amapá - Seminario na Ilha das Cinzas
Seminario na Ilha das Cinzas

Lideranças comunitárias e dirigentes da Associação dos Trabalhadores Agroextrativistas da Ilha das Cinzas (Ataic) e uma equipe de técnicos da Embrapa Amapá avaliaram as atividades do projeto "Desenvolvimento comunitário sustentável no estuário amazônico", durante seminário realizado nos dias 26 e 27 de fevereiro deste ano, na própria comunidade localizada no município de Gurupá, Estado do Pará.
Na ocasião, foi apresentado o diagnóstico das condições de saneamento e das atividades produtivas das famílias residentes daquela comunidade, além do mapeamento de mais de 80 áreas de açaizais e de 20 áreas de regeneração da espécie florestal pau mulato. Estas ações foram realizadas como parte do projeto executado em parceria entre a Associação dos Trabalhadores Agroextrativistas da Ilha das Cinzas (Ataic) e a Embrapa, com recursos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), órgão vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia. "As capacitações realizadas em meliponicultura e sobre manejo de açaizais foram reconhecidas pela comunidade como ações de grande importância para o desenvolvimento das famílias", ressaltou o pesquisador Marcelino Carneiro Guedes, da área de recursos florestais da Embrapa Amapá.   
Durante o seminário, foi oficializada uma parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Gurupá (Sesmug), que apoiará na atividade de análise da qualidade da água disponibilizadas para consumo na Ilha das Cinzas. O órgão municipal também vai atuar na manutenção dos novos sistemas de tratamento de água e esgoto que serão instalados nas comunidades, conforme prevê o projeto "Desenvolvimento comunitário sustentável no estuário amazônico".   
Segundo o pesquisador Marcelino Guedes, a maior parte das metas iniciais do projeto foram cumpridas e algumas antecipadas "O curso sobre manejo de açaizais nativos, por exemplo, foi adiantado em função do interesse dos ribeirinhos no tema e para otimizar uma ação da área de transferência de tecnologia da Embrapa", acrescentou Guedes. O pesquisador enfatiza que a participação da comunidade nos eventos e ao longo das atividades de experimentação para adaptação das tecnologias faz com que o projeto se consolide cada vez mais.
O projeto "Desenvolvimento comunitário sustentável no estuário amazônico" tem como objetivo pesquisar e adaptar novas tecnologias de geração alternativa de energia, saneamento ambiental e diversificação produtiva à realidade local do estuário amazônico, para garantir a adoção e expansão das técnicas para as famílias ribeirinhas extrativistas, visando melhorar a renda e a saúde das famílias e minimizar o impacto ambiental na Ilha das Cinzas. 
Dulcivânia Freitas (DRT/PB 1063-96 )
Embrapa Amapá 
Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

terça-feira, 21 de junho de 2016

FOCO TURISMO GURUPÁ>>>Balneário Ita-pereira cada dia melhor.










FOCO Educação>>>Alunos da Escola Estadual Marcílio Dias Gurupá/2016

Nos dias 14/15/16 e 17 do mês 06/2016 alunos ocuparam a Escola Marcílio Dias, em protesto a falta de professores contratados pelo "ESTADO", segundo relatos de Pais e Alunos, não tinham aulas a 6 meses com três disciplinas, pais e responsáveis aderiram a paralisação e permaneceram no prédio, fizeram passeatas nas ruas da Cidade em direção ao Prédio da Comarca de Gurupá "FÓRUM", em mãos levavam documentos repassados pela diretora da Escola, oficios, demandas de contratos e etc.
No ultimo dia 17, com a chegada de representante do Estado Secretária da URIS/Breves/Pará para Srª. Socorro Cunha, fizeram mais uma pequena caminhada novamente em direção ao FÓRUM onde o representante do Estado estava para uma audiência com Ex.mo. Sr. Promotor desta Comarca de Gurupá, logo em seguida alunos convocaram a mesma que seguiu em caminhada para o prédio da escola supracitada, para uma vistoria no local e ouvir pais, alunos e responsáveis dos alunos do ensino Médio, logo depois se pronunciou afirmando que até sexta feira dia 24/06/2016 o quadro da escolar estará...estará completo. Alunos e comissão do ato ficou responsáveis para comunicar o não cumprimento afirmado perante a promotoria,  imediatamente o comunique para que aja novas providências contra o estado ali representado por ela. Aguardamos o dia chegar 24/06/2106.  

“A única arma para melhorar o planeta é a Educação com ética. Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor da pele, por sua origem, ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar.” (MANDELA)
segue as Imagens 
Orlando Dias "PHOTO DIAZ"    

























quarta-feira, 20 de abril de 2016

Utilidade Publica FOCO>>EDUCAÇÂO Inscrição para Universidade do Professor - 2016

oP

Listão de classificados para o PARFOR 2011-I Honram o compromisso de sua formação com as Instituições de Ensino, concluindo este ano Parabéns Educadores recém Graduados. 2016

GURUPA / IFPA / LICENCIATURA EM EDUCACAO NO CAMPO

GURUPA / UFPA / LICENCIATURA EM LINGUA PORTUGUESA

GURUPA / UFRA / PEDAGOGIA

 Inscrição para Universidade do Professor - 2016 abertas










Turma de Licenciatura Plena Pedagogia
Fotos: Orlando Dias 
PHOTO DIAZ

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Foco em Educação Gurupá (PA), ensino com matriz curricular que valoriza a realidade local transforma a educação do município

Além da reestruturação curricular, secretaria criou uma avaliação própria e um programa de formação continuada para os professores

À margem direita do rio Amazonas, na região do Marajó, no Pará, está Gurupá. Cerca de 70% do município de 29 mil habitantes fica em área de várzea, o que explica a importância da pesca para sua economia. Além disso, a comunidade local dedica-se ao cultivo do açaí, de frutas como o caju e à pesca sustentável de camarão. O principal meio de transporte, inclusive o escolar, é a lancha, já que a ilha de Marajó forma o maior arquipélago fluvial do mundo.
Ali, além dos desafios do transporte e da baixa qualidade de vida dos moradores - com um Índice de Desenvolvimento Humano municipal considerado baixo, de 0,509 em 2010 -, a educação local apresentava resultados muito ruins. Seu Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) em 2007, por exemplo, foi de 2,1 para os anos iniciais do ensino fundamental. Para mudar esse quadro, a Secretaria de Educação desenvolveu uma série de ações baseadas na construção de uma matriz curricular e de um mecanismo de acompanhamento próprio do desenvolvimento dos alunos, reconhecendo e valorizando as particularidades regionais e culturais do local. As ações se desenvolveram em torno do que ficou conhecido como Prova Gurupá, cuja primeira avaliação foi realizada em 2009.
"A ideia da Prova Gurupá surgiu da necessidade de conhecer as práticas que eram adotadas em sala de aula", conta Messias Pantoja, que é técnico da secretaria, um dos coordenadores do programa e acompanhou de perto todo o processo de formulação da avaliação. Ele explica que desde o início do processo procuraram ouvir os professores e diretores da rede municipal. "O planejamento foi feito a partir de uma matriz curricular unificada. Para gerar essa matriz, reunimos professores de cada um dos nove anos do ensino fundamental, começando pelos anos de alfabetização, dos dezessete núcleos educacionais", explica Messias. Como resultado desse primeiro esforço foi criado um currículo unificado para as escolas da rede municipal. "Sem uma matriz curricular para servir como base de aplicação da prova, ela perderia importância como ferramenta de diagnóstico."
"O principal desafio desse currículo foi manter uma matriz comum e, ao mesmo tempo, respeitar as especificidades de cada escola", salienta Pantoja. Em Gurupá há muitas escolas com salas multisseriadas, outras em áreas de várzea - as chamadas escolas nas águas, erguidas por estacas e com demandas particulares de horário e transporte. Todos esses fatores precisaram ser levados em conta na hora de definir o currículo.
Hoje, a Prova Gurupá é aplicada em todas as 109 unidades de ensino do município, nos quartos e oitavos anos do ensino fundamental - um ano antes da Prova Brasil - e também nos anos finais da educação infantil - a chamada provinha. Segundo Odilei Braga, diretor de um dos 17 polos educacionais de Gurupá e coordenador de três escolas no meio rural, um dos principais benefícios da avaliação é dar oportunidade de planejar o trabalho. "A análise dos resultados nos dá uma base de onde é necessário melhorar."
Cada um dos 17 polos educacionais de Gurupá é coordenado por um diretor, muitos deles, como Braga, coordenam mais de uma escola, quase sempre com salas multisseriadas e no meio rural. O município é tão extenso - são cerca de 8.540 quilômetros quadrados - que algumas escolas ficam a quinze horas de lancha da região central da cidade, daí a importância também do programa municipal de transporte escolar, fluvial, feito por lanchas, cujo atendimento hoje beira os 100% dos alunos da rede.

Cultura local
Para formular as questões, criou-se um banco de dados a partir das sugestões dos professores da rede. Para diversas escolas foram enviadas urnas, nas quais os docentes depositaram, em sigilo, propostas de questões a serem abordadas na prova. Essas sugestões foram levadas em conta pelo comitê de elaboração, que percebeu que muitas delas traziam temas ligados à herança sociocultural do município e linguagem próxima ao cotidiano dos alunos e professores.
Pantoja acredita que os alunos da região Norte acabam em desvantagem em relação aos das regiões Sul e Sudeste nas avaliações unificadas nacionais, que na maioria das vezes trazem questões formuladas por educadores cujo referencial cultural difere do deles. "Para que o aluno tenha ferramentas para formular efetivamente seu conhecimento, é importante respeitar a realidade cultural e social local", afirma. A prova municipal, que é também aplicada nas escolas das onze comunidades quilombolas do município, trouxe textos que abordavam a cultura, realidade geográfica e o legado histórico da região do Marajó, além de problemas de matemática aplicáveis à economia local.

Formação docente
"A partir da análise dos resultados das primeiras avaliações diagnosticamos a necessidade de um programa de formação continuada para nossos professores", lembra Pantoja. Para isso foi criado um polo de apoio aos professores do município, que agora conta com oito turmas. Parte da verba veio do Programa Nacional de Formação Docente, do governo federal. "Percebemos que muitos de nossos professores se beneficiariam do programa, pois até há pouco tempo faltavam instituições de nível superior na região", afirma ele. Hoje, a população de Gurupá tem acesso a três campos universitários: Universidade Federal do Pará, Universidade Federal Rural da Amazônia e Instituto Federal do Pará, que oferecem cursos como letras, computação, ciências naturais e até um curso de licenciatura em educação do campo.
O diretor Braga lembra que também foram organizados encontros nos polos educacionais para debater propostas de melhoria na rede de ensino. Essas reuniões unem pais, alunos, professores, diretores e outros funcionários da rede de ensino para discutir novas possibilidades de prática em sala de aula e questionar as ações que podem estar prejudicando o aprendizado. "Abrimos esse espaço para a construção coletiva do processo educacional", afirma. Ainda segundo Braga, a ênfase dos esforços de diretores e professores até o momento está na inovação das práticas em sala de aula a partir de um planejamento feito com base no diagnóstico gerado pela análise dos resultados da prova.
"Um dos principais benefícios da prova e da matriz curricular unificada foi oferecer aos diretores e professores a possibilidade de planejamento das atividades em sala de aula a um prazo mais longo", diz Braga. Para ele, assim como todo sistema de avaliação unificado, a Prova Gurupá aumentou a preocupação de diretores e professores da rede municipal com os resultados e, ao avaliar o aluno, a prova também oferece uma base para a avaliação do trabalho dos professores e diretores. Como contrapartida municipal, ele destaca ações de valorização docente. Além de cumprir a lei do piso, o município paga 10% de gratificação para professores de salas multisseriadas e 5% a mais do salário a cada 20 quilômetros que o docente precisa viajar diariamente até a escola. Há, também, um plano de carreira unificado para todos os professores, que os estimula a investir em sua própria educação continuada.

Resultados
Além das reuniões nos polos de ensino, observou-se um aumento nas reuniões dentro das escolas para debater as propostas de melhoria com base na análise dos resultados das provas. A partir dessas reuniões, conta Braga, são planejadas ações práticas para a sala de aula. "Desde a instituição da prova observamos também uma maior ênfase na aplicação de simulados", conta o diretor.
A Prova Gurupá venceu, em 2011, o Prêmio Inovação em Gestão Educacional do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e já foi implementado o Sistema de Avaliação Municipal de Gurupá (SIAMG). A atual secretária da Educação, Betiza Ferreira de Almeida, comemora os resultados e diz que sua proposta, daqui para a frente, é manter atualizada a matriz curricular.
As ações trouxeram melhora nos resultados. O Ideb passou de 3,0 em 2009 para 4,1 em 2011 entre os alunos dos anos iniciais do ensino fundamental. Em 2013, no entanto, o município teve uma nova queda no índice, que foi para 2,8, resultado que se deve tanto à queda nas notas dos alunos quanto na taxa de aprovação, que passou de 92% em 2001 para 71%. Nos anos finais do ensino fundamental, a melhora do Ideb havia sido mais modesta, chegando a 3,5 em 2011 e caindo a 3,0 em 2013.
fonte/ http://revistaescolapublica.com.br/

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Gurupá em FOCO---Educação, relatório das formações do PNAIC/Gurupá/2014


Gostaria aqui de parabenizar a todos os educadores que lutam por ser reconhecido pelo seu trabalho. Ninguém nega o valor da educação e que um bom professor é imprescindível. Parabéns  a todos. "ESTIMULAR É INSPIRAR ESSA É A GRANDE ARTE DO EDUCADOR".
Coordenadora Profª. Esp. Silvana da Rocha Mourão-PNAIC-Municipal-Gurupá-2013-2015

















































Imagens arquivo:
SEMED e Orlando Dias
fonte: SEMED- Secretaria de Educação Municipal de Gurupá.